Polícia de Uganda impede ataque terrorista em

A polícia de Uganda frustrou neste sábado uma tentativa de ataque terrorista na capital do país, Kampala, no que pareceu ser um ataque do grupo militante somali Al-Shabaab, afirmou Fred Enanga, porta-voz da polícia. Autoridades de segurança do país prenderam vários suspeitos e recuperaram materiais explosivos durante uma operação em Kampala.

Estadão Conteúdo

13 de setembro de 2014 | 16h20

A tentativa de ataque vem menos de uma semana depois de a embaixada dos EUA no país alertar que o Al-Shabaab poderia tentar realizar um ato de vingança após um ataque aéreo norte-americano ter matado o comandante do grupo militante, Ahmed Abdi Godane, no início deste mês.

"Embora um operação (de segurança) ainda esteja em curso, estamos tomando medidas de precaução", disse Enanga. "Estamos aumentando a vigilância de segurança em todos os lugares públicos, particularmente locais vulneráveis, tais como hotéis, locais de compras, bares e restaurantes", acrescentou o porta-voz.

Ele se recusou a revelar mais detalhes sobre os suspeitos, argumentando que isso poderia prejudicar a operação da política, que ainda estava em curso na noite deste sábado. Autoridades de segurança montaram patrulhas em Kampala, uma cidade de cerca de 4 milhões de habitantes, que foi palco de explosões mortais em 2010, quando o Al-Shabaab realizou ataques terroristas paralelos, matando 79 pessoas, incluindo um americano.

A embaixada dos EUA alertou os cidadãos americanos no país a ficarem dentro de suas residências. A embaixada disse que autoridades de segurança descobriram uma célula do Al-Shabaab na capital.

"Nós estamos em contato próximo com nossos pares em Uganda, enquanto as investigações continuam sobre o que parece ter sido um plano para um ataque iminente", afirmou a embaixada em um comunicado. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
UgandaViolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.