Polícia desarticula rede que levava brasileiras para a Espanha

A Polícia da Espanha deteve dois espanhóis e duas brasileiras, desarticulando uma rede acusada de cooptarmulheres no Brasil e de levá-las para se prostituírem em umestabelecimento na cidade de Zaragoza.Segundo informações dadas neste sábado pela Polícia, as investigações começaram em maio, após a denúncia de uma brasileira que foi vítima de uma rede dedicada à imigração ilegal e à exploração sexual de mulheres de sua nacionalidade no clube "Tony´s" de Zaragoza, nocentro-leste da Espanha. Posteriormente, outra mulher procurou a polícia fazendo as mesmas denúncias.A organização atuava aliciando jovens brasileiras, principalmente no estado do Mato Grosso, através de parentes.Através de uma agência de envio de dinheiro, os principaisintegrantes da rede mandavam a quantidade necessária para opagamento das passagens de avião e dos trâmites necessários para as vítimas obterem os passaportes.As meninas chegavam à Espanha com uma dívida de aproximadamente 4 mil euros, que tinham que pagar trabalhando nos bordéis.A Polícia revistou o clube "Tony´s" e a sede da agência de envio de dinheiro "Titãs Casa de Câmbio", também em Zaragoza.Os detidos são os espanhóis Fulgencio G.B., de 56 anos, e Andrés M.N., de 46, além das brasileiras Patricia B.A. e Alessandra C.O., ambas de 28 anos.Fulgencio e Patricia estão sendo acusados de crimes relativos à prostituição e contra os direitos dos cidadãos estrangeiros e dos trabalhadores.Já Alessandra foi acusada de crime contra os direitos doscidadãos estrangeiros e Andrés, de lavagem de dinheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.