Polícia desativa bomba prestes a explodir nas Filipinas

A polícia filipina desativou um artefato explosivo preparado para ser detonado em um mercado da ilhade Mindanao, onde na última semana outra bomba causou a morte de seis pessoas, informaram fontes oficiais. A polícia local indicou que a bomba se encontrava junto à porta principal do mercado de Pagadian, capital da província de Zamboanga do Sul, 850 quilômetros ao sul de Manila. Os investigadores asseguraram que a bomba estava pronta para serdetonada e apontaram os radicais islâmicos de Abu Sayyaf como suspeitos de tentar um atentado em grande escala. A descoberta acontece cinco dias depois de uma bomba explodir em um povoado da província de Cotabato, que matou seis pessoas. Esse atentado foi atribuído pelo governo a Jemaah Islamiya,considerada o braço regional da Al-Qaeda. Um dia depois, as embaixadas de Canadá e Reino Unido em Manila advertiram seus cidadãos no arquipélago sobre a possibilidade de mais atentados no país nos próximos dias. Os serviços de inteligência militar filipinos acreditam que pelo menos 30 terroristas da Jemaah Islamiya se escondam em Mindanao, entre eles os indonésios Dulmatin e Umar Patek. O governo dos Estados Unidos oferece US$ 10 milhões de recompensa pela captura de Dulmatin e US$ 1 milhão pela de Patek.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.