Polícia descobre corpos em tribunal clandestino no Iraque

A polícia iraquiana encontrou pelo menos 10 cadáveres em um edifício que abrigava um tribunal religioso clandestino comandado por seguidores do líder xiita rebelde Muqtada al-Sadr. Os policiais dizem que os mortos são vítimas do estilo de "justiça" praticado pelo grupo de Al-Sadr, mas os rebeldes afirmam que os mortos pereceram nos combates entre as forças do líder xitta e as tropas do governo iraquiano, apoiadas pelos EUA.Um repórter da Associated Press viu cerca de 10 corpos, carbonizados e inchados, debaixo de cobertores. Entre os mortos havia uma mulher idosa. Não está claro como morreram, mas parecem ter sido vítimas de estilhaços de explosões.O odor dos corpos atraiu a polícia ao local, disse o general Amer al-Daami. "Achamos os corpos, queimados e apodrecidos", afirmou.Al-Daami diz que os mortos são policiais e civis. Antes do início dos combates em 5 de agosto, o grupo de Al-Sadr vinha sendo acusado de seqüestrar e torturar policiais. O gabinete de Al-Sadr em Najaf era responsável pelo tribunal, que ordenava prisões e determinava penas à revelia das autoridades legais e religiosas legítimas.Saiba quem é Muqtada al-Sadr

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.