Polícia dispara contra manifestantes e mata 2 na Síria

Forças de segurança abriram fogo hoje contra milhares de manifestantes que tomaram as ruas da Síria, num ritual semanal de desafio ao presidente Bashar al-Assad, pedindo sua saída do poder. Ativistas afirmaram que pelo menos duas pessoas foram mortas.

AE, Agência Estado

24 de junho de 2011 | 11h27

As mortes aconteceram em al-Kasweh, subúrbio de Damasco, e em Homs, cidade da região central do país, disse Omar Idilbi, integrante dos Comitês de Coordenação Locais, que acompanham os protestos sírios. Manifestantes de várias outras províncias também foram alvo de disparos, mas ainda não há informações sobre vítimas, informou Idilbi.

A repressão militar não conseguiu silenciar o movimento pró-democracia, que já dura mais de 100 dias. Milhares de pessoas foram para as ruas em Amouda e em Qamishli, no nordeste do país, e em outras províncias, informou o ativista de direitos humanos Mustafa Osso.

Há relatos de forte presença militar em várias localidades. Os protestos, que acontecem a cada sexta-feira após as orações muçulmanas, ocorrem enquanto refugiados sírios continuam a atravessar a fronteira para a Turquia em busca de abrigo. Mais de 1,5 mil pessoas cruzaram a fronteira apenas ontem, elevando o número de refugiados no país vizinho para mais de 11,7 mil.

As críticas internacionais a Damasco aumentam. A União Europeia (UE) anunciou ontem a aplicação de novas sanções contra o regime sírio e a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, advertiu Damasco a retirar suas tropas da fronteira com a Turquia, onde há crescentes temores sobre possíveis confrontos com forças turcas.

Osso disse que recebeu informações de moradores que uma grande quantidade de tropas foi enviada para a fronteira com a Turquia e estabeleceu postos de verificação. Segundo ele, todas as pessoas que ainda estavam no lado sírio da fronteira fugiram para a Turquia. "As poucas que não cruzaram a fronteira foram detidas", disse ele, afirmando que 100 pessoas foram presas nos últimos dois dias. Antecipando o êxodo da segunda maior cidade da Síria, Aleppo, autoridades turcas estão montando um sexto campo de refugiados com 800 barracas perto da fronteira.

A oposição síria diz que 1,4 mil pessoas foram mortas pelas forças do governo, que responsabiliza conspiradores estrangeiros e bandidos pelo levante. Os manifestantes negam qualquer influência externa em seu movimento. As autoridades detiveram 10 mil pessoas desde o início das manifestações. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaprotestosmortesrefugiados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.