Polícia dispersa acampamento de opositores em Moscou

Autoridades detiveram 20 ativistas que protestavam contra o presidente Vladimir Putin havia uma semana

MOSCOU, O Estado de S.Paulo

17 Maio 2012 | 07h49

A polícia russa dispersou ontem um acampamento de protesto instalado no centro de Moscou, num local que se havia transformado ponto de encontro dos opositores do presidente Vladimir Putin, e detiveram brevemente 20 ativistas, numa demonstração de força que faz parte da crescente repressão à oposição.

Ao tentar intimidar os oponentes do governo Putin - que volta ao poder, após exercê-lo por dois mandatos, entre 2000 e 2008 -, as autoridades puseram atrás das grades os principais organizadores de protestos, ameaçaram outros com represálias e propuseram uma lei que determina um aumento de 300 vezes na multa por participar de manifestações não autorizadas.

Alguns líderes opositores esperam que as medidas mais duras aumentem a indignação da população e resulte em manifestações ainda maiores. Mas outros temem que a repressão prejudique o movimento opositor e amedronte principalmente os ativistas de classe média, que compareceram às dezenas de milhares nas manifestações pacíficas das últimas semanas.

Sem pôsteres. Os organizadores do acampamento desistiram de colocar pôsteres e faixas com conteúdo político ou gritar palavras de ordem contra Putin para que o acampamento não pudesse ser considerado, tecnicamente, um protesto sem autorização.

Alguns milhares de russos passaram pelo local nos últimos dias, mas o comparecimento caía ao no começo da noite.

As autoridades permitiram que o acampamento funcionasse durante uma semana, mas perderam a paciência depois que um tribunal acatou, na terça-feira, um processo aberto por moradores do local - segundo os quais a vigília estava causando confusão.

A polícia dispersou o acampamento durante a manhã. Os organizadores da manifestação tentaram transferir o acampamento para outro local, no centro de Moscou. A polícia não interveio quando dezenas de ativistas iniciaram uma reunião numa praça em outro ponto da cidade.

As autoridades também permitiram que um grupo de intelectuais promovesse marchas que reuniram algumas milhares de pessoas pelo centro de Moscou durante o fim de semana.

Pintores importantes e outras figuras destacadas do cenário cultural da capital pretendem realizar uma manifestação semelhante nesta semana. / ASSOCIATED PRESS.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.