Bev Horne/Daily Herald via AP
Bev Horne/Daily Herald via AP

Atirador em fábrica em Aurora, nos EUA, mata cinco

Autoridades disseram que responsável pelo ataque, um empregado da empresa que estava sendo demitido, foi 'abatido'

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2019 | 19h03
Atualizado 16 de fevereiro de 2019 | 02h14

AURORA, EUA - Cinco pessoas morreram e cinco policiais ficaram feridos nesta sexta-feira, 15, quando um homem armado abriu fogo em um distrito industrial em Aurora, em Illinois, segundo a Polícia. "Nesse momento, temos confirmado que cinco pessoas morreram", disse Kristen Ziman, chefe da Polícia em Aurora, cidade localizada a cerca de 65 km a oeste de Chicago. 

As autoridades também informaram que o responsável pelo ataque, um empregado da empresa identificado como Gary Martin, de 45 anos, foi "abatido". De acordo com Kristen Ziman, chefe da Polícia de Aurora, o atirador trabalhou por 15 anos na companhia e estava sendo demitido antes de iniciar seu ataque nesta sexta.

O porta-voz da Câmara Municipal de Aurora, Clayton Mohammed, disse que os policiais estão em situação "estável", sem oferecer mais detalhes sobre a gravidade de seus ferimentos.

A polícia indicou que o ataque "não já era uma ameaça" para as pessoas que estão na área e acrescentou que os agentes seguirão na região enquanto continuar a investigação.

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, declarou em comunicado que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tinha sido informado do incidente e acompanhava a situação em Aurora.

Na quinta-feira se completou o primeiro aniversário do massacre na escola de ensino médio de Parkland, no Estado da Flórida, onde 17 pessoas morreram: 14 estudantes e 3 funcionários do colégio Marjory Stoneman Douglas.

No dia seguinte à tragédia, os estudantes de Parkland começaram uma campanha agressiva pela regulação e controle sobre a venda e a posse de armas de fogo, conhecida como March for Our Lives (MFOL).

Os jovens de MFOL rejeitaram energicamente "os pensamentos e orações" oferecidos por alguns políticos quando ocorrem os ataques a tiros e exigiram deles controle de armas e proteção real nas salas de aula.

Também no último dia 11, uma pessoa morreu e outras duas ficaram feridas em um ataque ocorrido em um posto de gasolina situado na cidade de North Miami, na Flórida.

Os dois feridos foram internados no Jackson Memorial Hospital com vários ferimentos, segundo afirmou a emissora local 7 News Miami. / EFE



 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.