Polícia diz ter impedido ataque terrorista na Arábia Saudita

As autoridades sauditas informaram hoje que impediram um "iminente ataque terrorista" ao realizar uma busca num apartamento repleto de bombas na cidade sagrada de Meca. Durante a operação, segundo fontes oficiais, morreram cinco terroristas e dois agentes de segurança. Não ficou claro se a busca teve relação com a repressão lançada depois dos atentados suicidas de 12 de maio em complexos residenciais habitados por estrangeiros na capital saudita, nos quais 35 pessoas morreram, entre elas nove suicidas. Funcionários americanos e sauditas que investigam os atentados em Riad os vincularam à rede terrorista Al-Qaeda, a organização extremista apontada por Washington como responsável pelos atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos. Um funcionário do Ministério do Interior saudita, que pediu para não ser identificado, disse hoje que pelo menos cinco pessoas foram detidas durante a busca em Meca, entre elas dois homens naturais do Chade, um egípcio e um saudita. O quinto não foi identificado de imediato. As nacionalidades dos cinco mortos também não foram informadas. O funcionário, cujas declarações foram veiculadas pela agência oficial de notícias Saudi Press e pela televisão estatal disse que vários outros suspeitos foram detidos em Meca, a cidade mais sagrada do Islã, localizada a 720 quilômetros ao oeste de Riad, durante a operação. Segundo a fonte, agentes de invadiram um apartamento no distrito de al-Jalidiya, a cerca de cinco quilômetros da principal mesquita da cidade, às 21h30 (horário local). O funcionário não comentou sobre qual seria o possível alvo do grupo nem deu detalhes sobre o plano. De acordo com ele, no apartamento foram encontradas várias armas, equipamentos de comunicações, máscaras e cerca de 72 bombas de diferentes tamanhos. Todo o material foi apreendido pela polícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.