Polícia do Chipre retira emigrantes sírios de navio

Polícia do Chipre retira emigrantes sírios de navio

Cerca de 300 pessoas foram removidas de embarcação em uma operação na manhã desta sexta-feira

Estadão Conteúdo

26 de setembro de 2014 | 11h05

Centenas de emigrantes que acredita-se serem refugiados sírios foram retirados nesta sexta-feira de um navio de cruzeiro por membros de uma esquadra de elite da polícia do Chipre. Cerca de 300 pessoas foram removidas do navio em uma operação na manhã desta sexta-feira após horas de negociação para que eles deixassem o navio por conta própria falharem, informou a porta-voz da polícia local, Nicoletta Tyrimou. Os refugiados insistiam em serem levados para Itália.

Um grupo de 62 pessoas deixou na quinta-feira o navio por vontade própria, depois de a embarcação chegar ao porto da cidade de Limassol, no Chipre. As 345 pessoas, incluindo 52 crianças, vão continuar no centro de recepção próximo à capital Nicósia, onde estão recebendo abrigado e tratamento médico, até que as autoridades determinem o que vai acontecer com eles.

O chefe da Defesa Civil do Chipre, Andreas Frantzis, afirmou que algumas pessoas no centro de recepção parecem inquietas e com a sensação de que seus planos iniciais foram arruinados.

O ministro da Justiça do Chipre, Ionas Nicolaou, afirmou à rede de televisão estatal RIK, que a polícia teve de intervir "gentilmente" e pressionar os resistentes "sem o uso da violência". De acordo com Nicolaou, as autoridades vão analisar cada caso individualmente para determinar se alguns vão conseguir asilo no Chipre ou em outro país Europeu ou vão se unir a parentes em outras localidades.

Os emigrantes foram resgatados pelo navio de cruzeiro após o barco em que viajavam não suportar as más condições climáticas locais. O pedido de resgate foi feito na manhã de quinta-feira. Tyrimou afirmou que o barco aparentemente saiu do porto sírio de Latakia com sírios que fugiam da guerra civil no país. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
ChipreSíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.