Polícia do Kuwait reprime protesto de apátridas

Um ativista kuwaitiano dos direitos humanos disse que a polícia usou gás lacrimogêneo e canhões de água para dispersar manifestantes que pediam ao país árabe que reconheça que eles são cidadãos do Kuwait. O ativista Taher al-Baghli, da Sociedade Kuwaitiana pelos Direitos Humanos, disse que a polícia fez detenções nesta sexta-feira entre os manifestantes, a maioria dos quais descendem de tribos de beduínos do deserto que são considerados apátridas pelo Estado do Kuwait.

AE, Agência Estado

13 de janeiro de 2012 | 18h50

Eles tentam obter a cidadania kuwaitiana e assim ter acesso aos benefícios sociais do país, rico em petróleo, como assistência médica gratuita e empregos públicos.

O ministro do Interior do Kuwait disse que não irá tolerar mais manifestações. A polícia montou barricadas em Jahra, um bairro no oeste da Cidade do Kuwait onde ocorreram manifestações nas últimas sextas-feiras. O Kuwait terá eleições parlamentares em 2 de fevereiro e os moradores apátridas não podem votar.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.