Polícia do México encontra 14 corpos decapitados em Acapulco

Indícios apontam para membros de cartéis de drogas como possíveis responsáveis pelo crime

estadão.com.br

08 de janeiro de 2011 | 15h00

ACAPULCO - A polícia de Acapulco informou neste sábado, 8, ter encontrado 14 corpos decapitados em frente a um centro comercial da cidade, situada no estado de Guerrero, no oeste mexicano, segundo informações da agência de notícias AFP.

 

A polícia afirmou que junto dos cadáveres havia inscrições, um indício de que os autores do crime foram membros dos cartéis de drogas que atuam na região, que tem sido palco para batalhas entre os narcotraficantes.

 

O grupo decapitado é o maior já encontrado em tais condições desde 2006, quando o atual presidente mexicano, Felipe Calderón, assumiu o poder e iniciou uma grande investida contra o crime organizado do país.

 

De acordo com o governo, desde dezembro de 2006, quando Calderón assumiu a presidência, 30.196 pessoas morreram em episódios relacionados ao crime organizado ou na luta contra os narcotraficantes.

 

O presidente assumiu durante a semana que 2010 foi o ano mais violento do país no que diz respeito à violência causada pelo narcotráfico. O presidente não deu números exatos, mas segundo um balanço da Procuradoria Geral divulgado em dezembro, de 1º de janeiro a 30 de novembro do ano passado haviam sido registradas 12.456 mortes violentas, o que torna 2010 o ano mais violento da história recente do México.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.