Polícia e manifestantes se enfrentam novamente em Oaxaca

Rebeldes mascarados e armados com madeiras, pedras e bombas de gasolina e policiais federais se enfrentaram novamente, na segunda-feira, na praça central da cidade de Oaxaca, que está sob controle policial desde o final de outubro, quando terminou a ocupação do local pelos manifestantes. O combate aconteceu durante passeata para comemorar o feriado da Revolução Mexicana. Ao passar pelo centro, os manifestantes utilizaram suas armas contra a polícia, que os repeliram com gás lacrimogêneo e de pimenta e os obrigaram a se dispensar. Os manifestantes chegaram a tomar alguns automóveis, entre eles um ônibus, que incendiaram em seguida. Também atacaram o hotel Camino Real, quebrando as janelas e pichando as paredes. O hotel fechou as portas logo após o ataque, sem dar informações sobre seus hóspedes. No final de setembro, cerca de 300 manifestantes armados entraram no hotel atrás do governador Ulises Ruiz, a quem acusam de fraudar as eleições para o governo de Oaxaca em 2004 e de reprimir violentamente os dissidentes. De acordo com o líder dos protestos, César Mateos, a polícia deteve alguns manifestantes, mas não sabe quantas pessoas ao todo foram presas. A polícia afirma não ter informações sobre detenções. No Estado de Chiapas, simpatizantes indígenas do Exército Zapatista de Liberação Nacional bloquearam estradas em todo o Estado em apoio aos manifestantes de Oaxaca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.