Polícia e servidores públicos gregos fazem protesto

Milhares de policiais, bombeiros e funcionários da Guarda Costeira da Grécia se reuniram nesta quinta-feira no centro de Atenas, em protesto contra novas medidas de austeridade do governo, das quais fazem parte os ? 13,5 bilhões (US$ 17 bilhões) exigidos em cortes pelos credores internacionais do país. Os manifestantes cantaram slogans e carregaram faixas com as frases: "piedade, parem os cortes" e "não podemos mais". A polícia estima que três mil participaram do protesto.

AE, Agência Estado

06 de setembro de 2012 | 14h42

A manifestação faz parte de uma série de protestos do funcionalismo público contra a nova rodada de redução nos salários e nas pensões. Médicos do Estado e juízes fizeram uma greve na quarta-feira, enquanto funcionários das universidades e agentes fiscais preveem protestos nos próximos dias.

Os protestos deverão chegar ao auge no sábado em Salonica, segunda maior cidade da Grécia e no norte do país, que deverá ser visitada então pelo primeiro-ministro grego Antonis Samaras.

O partido de Samaras, o conservador Nova Democracia, prometeu antes das eleições não reduzir os salários chamados "especiais", que são os de policiais, bombeiros, guarda costeiros, funcionários das universidades e do judiciário.

Mas à medida em que o governo grego luta para realizar cortes nos gastos que equivalem a 5,5% do Produto Interno Bruto (PIB), os cortes nos salários especiais voltaram à pauta.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.