Polícia egípcia prende ativista de direitos humanos

A polícia egípcia prendeu nesta quarta-feira a ativista de direitos humanos Mahienour El Masry, liberada há poucas semanas da prisão. Ela foi presa em Alexandria com outras quatro pessoas, incluindo seu advogado, Mohammed Ramadan, após um protesto na cidade costeira.

Estadão Conteúdo

19 Novembro 2014 | 21h36

Eles foram detidos quando andavam por uma ponte muito tempo depois do fim da manifestação. Ramadan disse que eles foram interrogados informalmente por um oficial de segurança do Estado sobre o protesto e sobre quem o organizou e depois foram soltos. Nenhuma acusação foi feita.

Mais cedo, polícia disparou gás lacrimogêneo para dispersar dezenas de manifestantes perto da Praça Tahrir, no Cairo, que protestavam contra o governo apoiado por militares. Pelo menos 43 pessoas foram presas, de acordo com funcionários de Segurança, que falaram sob condição de anonimato.

Os manifestantes, em grande parte não-islâmicos, queriam lembrar o terceiro aniversário de um dos confrontos mais brutais com focas de segurança do país desde a revolta de 2011. Os confrontos em novembro 2011 deixaram quase 50 mortos e ficaram conhecidos como Batalha de Mohammed Mahmoud. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Egitoprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.