REUTERS/Charles Platiau/File Photo
REUTERS/Charles Platiau/File Photo

Polícia encontra carro com cinco cilindros de gás no centro de Paris

Veículo foi abandonado junto à Catedral de Notre-Dame e pertencia à família de uma jovem radical islâmica que pode ter fugido para a Síria; casal de islamistas que teria conduzido o automóvel foi preso a caminho da Espanha

Andrei Netto, CORRESPONDENTE / PARIS

07 de setembro de 2016 | 19h20

Um automóvel repleto de cilindros de gás foi encontrado no coração de Paris no último domingo. O veículo, um Peugeot 607 sem placas, foi estacionado no Cais de Montebello, ao lado Catedral de Notre-Dame, e acabou localizado pela polícia e pelos serviços antiterrorismo. Segundo as investigações preliminares, o automóvel pertencia a um homem cuja filha é suspeita de ter fugido para a Síria. Um casal de suspeitos consta dos arquivos de Ficha "S" do Ministério do Interior, como são identificados os suspeitos de radicalismo e de atividade terrorista. 

O Ministério Público de Paris abriu uma investigação oficial por terrorismo, o que sugere que um novo atentado pode ter sido evitado na capital francesa. De acordo com o jornal Le Figaro, que revelou o caso, o veículo foi abandonado em uma rua situada a 200 metros da Notre-Dame, em um local fechado ao tráfego e de intenso fluxo de turistas. O automóvel foi encontrado abandonado pelo funcionário de um bar, que chamou a polícia ao vislumbrar um cilindro de gás - que estava vazio - no interior. Outros cinco cilindros, todos cheios, foram descobertos no porta-malas.

Uma equipe do esquadrão antibombas foi enviado ao local para verificar o risco de explosão, mas nenhum mecanismo detonação foi encontrado. No interior do veículo uma folha com escritos em árabe foi encontrada, mas o conteúdo não foi revelado até a noite de ontem pela polícia e pelo Ministério Público.

Na terça-feira o dono do veículo foi localizado e preso para verificações. Residente em Seine-Saint-Denis, ele era conhecido pelo proselitismo islâmico, mas não foi considerado uma ameaça pelas autoridades. Ele mesmo teria se apresentado no domingo a uma delegacia de polícia para denunciar o desaparecimento de sua filha, porque teme que ela tenha partido para a Síria, onde se juntaria ao grupo terrorista Estado Islâmico. Até a noite de ontem, a jovem continuava desaparecida.

A principal pista da polícia francesa por enquanto foi a prisão na terça-feira de um casal que viajava de carro em direção à Espanha. Um homem de 34 anos e sua mulher, de 29, estavam juntos de três crianças com idades entre 3 e 6 anos. Ela é objeto de uma Ficha "S", aberta por suspeita de radicalização terrorista em uma investigação especial da Direção Geral de Segurança Interior (DGSI), o serviço secreto interno da França. Ambos integram um movimento islamista radical e teriam sido reconhecidos como os últimos usuários do veículo encontrado no centro de Paris. 

À agência Reuters, um membro da equipe de investigações do caso afirmou que uma das hipóteses da polícia é de que o carro tenha sido preparado em uma espécie de "ensaio" de um atentado. Teste ou tentativa fracassada de ataque, o caso gerou preocupação em Paris porque se enquadra em um dos riscos iminentes cogitados pelas autoridades da França. 

Em maio, em depoimento na Comissão de Defesa nacional e de Forças Armadas da Assembleia Nacional, o equivalente à câmara dos deputados, Patrick Calvar, diretor-geral da DGSI, havia antecipado essa possibilidade. "Se os atentados de novembro passado foram perpetrados por kamikazes e por pessoas armadas de fuzis kalachnikov que tinham o objetivo de fazer o maior número possível de vítimas, nós corremos o risco de nos vermos confrontados a uma nova forma de ataque", advertiu, explicando: "uma campanha terrorista caracterizada pela reunião de explosivos em locais ou em pontos de encontro de multidões, uma ação que teria por objetivo criar um clima de pânico".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.