Taos County Sheriff's Office/Handout via REUTERS
Taos County Sheriff's Office/Handout via REUTERS

Polícia encontra corpo de menino desaparecido em acampamento miserável no Novo México 

Investigação que levou à prisão dos pistoleiros e à liberação de 11 crianças começou com queixa da mãe de Abdul, de apenas 4 anos, de que ele havia sido sequestrado pelo pai

O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2018 | 21h52

O corpo de um menino de 4 anos que estava desaparecido desde o ano passado foi encontrado no acampamento miserável e improvisado no Novo México onde seu pai e outro homem armado sequestraram 11 crianças.

"Descobrimos ontem (segunda-feira) os restos mortais de Abdul no dia em que ele completaria 4 anos", afirmou o xerife do Condado de Taos, Jerry Hogrefe, em lágrimas, nesta terça-feira, 7.

A investigação que levou à prisão dos pistoleiros e à liberação das outras crianças na sexta-feira começou exatamente com a queixa da mãe de Abdul, Ghani Wahhaj, de que ele havia sido sequestrado pelo pai, Siraj Wahhaj, em dezembro em Jonesboro, no Estado da Geórgia.

Na primeira operação, Abdul - que sofria de convulsões e apresentava atrasos cognitivos e de desenvolvimento - não foi encontrado.

Mas os policiais voltaram ao local depois de interrogar os suspeitos na sexta e no sábado e as declarações os levaram a acreditar que o menino ainda estava no local.

"Nós tivemos uma idéia de onde procurar a criança", disse o xerife, citado pela imprensa local.

A mãe de Abdul disse às autoridades que Siraj Wahhaj queria exorcizar seu filho porque ele considerava que sua deficiência era, na verdade, uma possessão do demônio.

As outras crianças, com idades entre 1 e 15 anos, "estão seguras e estão sendo cuidadas", disse Henry Varela, diretor de comunicações do Departamento de Crianças, Juventude e Famílias do Novo México.

Monique Jacobson, secretária de gabinete dessa instituição, disse anteriormente que eles pediriam ao tribunal para que o Estado mantivesse a custódia das crianças.

+ Para lembrar: Os sequestros mais famosos da história

No acampamento, cheio de pneus e detritos, havia pouca comida e água, os prisioneiros não tinham sapatos e vestiam trapos, além de serem privados de higiene básica.

As autoridades encontraram no local armas de fogo, incluindo um rifle AR-15, quatro pistolas e muita munição. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.