Polícia ''''errou'''' no caso Jean Charles

Na abertura do julgamento da Scotland Yard, promotora afirma que morte de brasileiro poderia ter sido evitada

AFP E AP, O Estadao de S.Paulo

02 de outubro de 2007 | 00h00

Londres - A promotoria britânica acusou ontem a Scotland Yard, durante a abertura do julgamento contra a corporação, de cometer "erros graves" que levaram à morte do brasileiro Jean Charles de Menezes. O brasileiro foi morto por policiais em Londres, em 22 de julho de 2005, após ser confundido com um terrorista."Essa morte poderia ter sido evitada", acusou a promotora Clare Montgomery. De acordo com ela, o incidente foi resultado de uma série de erros "primários" da polícia, que não "comandou a operação de maneira segura e aceitável".Jean Charles, que era eletricista, foi atingido por sete tiros na cabeça, dentro do metrô de Londres. Logo após a sua morte, a polícia afirmou que ele usava um casaco pesado em pleno verão e teria corrido para dentro do metrô após ser interpelado pelos policiais.Imagens de vídeo da estação, no entanto, mostraram que o brasileiro vestia apenas uma jaqueta leve e entrou calmamente no metrô.A morte de Jean Charles ocorreu um dia após os atentados fracassados contra três comboios do metrô e um ônibus em Londres. No começo de julho, quatro suicidas explodiram-se na cidade, deixando 56 mortos e mais de 700 feridos. Para Clare, os policiais (que estavam vigiando o prédio onde morava o eletricista) tiveram várias oportunidades para abordá-lo de maneira segura. "Quando ele saiu do prédio, quando caminhou até o ponto de ônibus, quando desceu na estação de metrô, mas não o fizeram", acusou a promotora, que afirmou que os erros da polícia colocaram a população em risco.ESPERANÇAO julgamento da Scotland Yard, que deve durar cerca de seis semanas, é uma das últimas chances da família do brasileiro de conseguir uma condenação no caso. Em julho do ano passado, a promotoria anunciou que não iria processar nenhum dos 15 policiais envolvidos no episódio. Em agosto, um relatório da Comissão Independente de Queixas à Polícia (IPCC, na sigla em inglês) eximiu o chefe da polícia, Ian Blair, das acusações de que ele teria dado informações falsas sobre o caso.As críticas mais duras do relatório ficaram para o chefe de contraterrorismo da polícia, Andy Hayman. Segundo o IPCC, Hayman deliberadamente deu informações erradas sobre a identidade de Jean Charles nas horas seguintes à sua morte.A família do brasileiro voltou a criticar ontem a decisão da promotoria de não processar nenhum dos policiais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.