AP Photo/Manu Fernandez
AP Photo/Manu Fernandez

Polícia espanhola continua busca por terrorista foragido

Durante protesto, a mãe de Younes Abouyaaqoub pediu a seu filho que se entregue à Polícia, ainda que tenha dito que não acreditava que ele fosse membro da célula terrorista

O Estado de S.Paulo

20 Agosto 2017 | 07h24

BARCELONA - A Polícia Autônoma da Catalunha (Mossos d'Esquadra) realizou, nesta madrugada,20, vários rastreamentos em dois povoados da região para localizar Younes Abouyaaqoub, um dos terroristas foragidos após os atentados de Barcelona e Cambrils, que deixaram 14 mortos.

Fontes da investigação explicaram à Agência Efe que os 'Mossos' montaram uma grande operação na região de Manlleu, nas imediações da localidade de Vic, onde foi encontrada uma das três vans supostamente alugadas pela célula terrorista para cometer atentados.

Aparentemente, Younes, de 22 anos, que morava em outra localidade catalã, Ripoll, frequentava Manlleu, pelo que a operação policial se concentrou nesse município da província de Barcelona e nos arredores, devido à possibilidade de que algum conhecido tenha oferecido refúgio ao terrorista.

A mãe de Younes participou no sábado, 19 de uma manifestação na praça da Câmara municipal de Ripoll em repulsa aos atentados e pediu a seu filho que se entregue à Polícia, ainda que tenha dito que não acreditava que ele fosse membro da célula terrorista.

Uma prima do foragido, identificada como Fátima Abouyaaqoud, mostrou estar convencida de que foi o ímã da localidade de Ripoll, Abdelbaki es Satty, que manipulou seu parente e os demais jovens da localidade supostamente envolvidos nos atentados e os radicalizou.

Os investigadores revistaram ontem a casa do ímã em Ripoll à busca de indícios sobre os atentados e de provas que permitissem comprovar se o religioso, que está desaparecido, é um dos mortos na casa de Alcanar, província de Tarragona, que explodiu no dia 16 de agosto.

A casa era utilizada pela célula para preparar explosivos e nela foram encontrados restos biológicos de três pessoas, segundo fontes da investigação, além de material utilizado habitualmente pelo terrorismo jihadista.

De forma paralela, os 'Mossos' procuram três veículos relacionados com os atentados, segundo informaram à Efe fontes da luta antiterrorista. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.