Polícia espanhola encontra corpo de jogadora holandesa

Ingrid Visser teria sido assassinada após um 'desentendimento' ligado a questões financeiras

27 de maio de 2013 | 16h04

A polícia espanhola anunciou nesta segunda-feira, 27, que encontrou os corpos da ex-jogadora de vôlei Ingrid Visser, de 35 anos, e de seu namorado, Lodewijk Severin, de 57, em uma plantação de limões na vila de Alquerías, nos arredores de Murcia. O casal estava desaparecido desde o dia 13 de maio.

Ingrid era um mito na Holanda: disputou 514 partidas pela seleção - foi a atleta que mais vestiu a camisa do país em todos os esportes coletivos. Entre 1997 e 1999, ela jogou no Minas Tênis Clube, de Belo Horizonte.

Até o momento, a polícia prendeu três pessoas envolvidas no duplo assassinato: um espanhol, de 36 anos, e dois romenos, de 47 e 60 anos - as identidades não foram reveleadas para não prejudicar as investigações.

Os policiais chegaram aos corpos depois da prisão do espanhol, em Valencia, no sábado. Ele teria indicado onde o casal havia sido enterrado - em covas de 50 cm de profundidade. A polícia, no entanto, acredita que os dois foram mortos em uma casa alugada na cidade de Molina de Segura, também nos arredores de Murcia. Uma batida no local revelou sinais de que as mortes foram violentas. A prisão dos romenos foi realizada ontem e haveria ainda uma quarta detenção a ser feita.

Os três presos teriam ligações com o crime organizado. A polícia acredita que Visser e o namorado conheciam a pessoa que os levou à casa em Molina de Segura e trabalha com a hipótese de o assassinato ter relação com algum "desentendimento" envolvendo questões financeiras. No entanto, os investigadores ainda não sabem qual o envolvimento dos holandeses com os criminosos.  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.