Polícia filipina prende líderes da oposição

A polícia filipina começou a prender dirigentes da oposição e o governo declarou "estado de rebelião" no país nesta terça-feira, depois que violentos conflitos entre policiais e partidários do afastado presidente Joseph Estrada deixaram pelo menos quatro mortos e mais de 100 feridos."Esta não é apenas uma demonstração. É uma rebelião", disse o porta-voz governamental Rigoberto Tigalo. Após a declaração de estado de rebelião, restrita a Manila, feita pela atual presidente, Glória Macapagal Arroyo - prosseguiu Tigalo -, ela tem permissão para convocar os militares para enfrentar os protestos e para deter pessoas durante três dias sem acusações - o que começou a fazer em seguida, ao deter os principais líderes políticos que apóiam Estrada. O porta-voz militar, brigadeiro Edilberto Adan, após informar que hoje à tarde as forças de segurança dispersaram os manifestantes partidários de Estrada, disse que os chefes militares estão discutindo a possibilidade de impor um toque de recolher.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.