Polícia francesa interroga suspeito de tiroteio em Paris

O homem suspeito de ser responsável pelos tiroteios nas sedes do jornal Libération e do banco Société Generale na segunda-feira, em Paris, está consciente e sendo interrogado pela polícia. O promotor parisiense François Molins informou nesta quinta-feira que a polícia recolheu DNA e outras evidências que ligam o acusado Abdelhakim Dekhar a vários atos violentos que ocorreram última semana.

Agência Estado

22 de novembro de 2013 | 04h01

Dekhar, de 48 anos, está em custódia sob a suspeita de tentativa de assassinato e sequestro, disse o promotor. Ele foi detido na noite desta quarta-feira, mas estava semiconsciente e foi levado ao hospital após ter ingerido algum tipo de medicamento. Naquele mesmo dia, ele teria dito a um amigo com quem estava abrigado que queria "dar um fim a seus dias".

A polícia achou uma carta de suicídio no carro em que Dekhar foi encontrado, "provavelmente escrita pelo suspeito", afirmou Molins. O amigo do acusado também entregou aos policiais uma outra carta em que ele se referia a uma "conspiração fascista", repudiava o capitalismo e acusava os meios de comunicação de "manipular as massas".

Na tentativa de entender os motivos do suspeito, o promotor disse ter buscado os registros psiquiátricos de um caso de 1994 ao qual Dekhar estava relacionado. Na época, ele foi preso acusado de fornecer armas de fogo para dois homens que mataram três policiais e um taxista durante um tiroteio. Em um dos arquivos, um especialista descreve Dekhar como um indivíduo que gosta de inventar histórias.

A caçada ao atirador começou na segunda-feira, após um homem invadir a redação do jornal Libération, no leste de Paris, e atirar em um assistente de fotografia com um rifle de caça. Duas horas depois, um sujeito com a mesma descrição abriu fogo contra a sede do bando Societé Generale, no bairro de La Defense. O assistente, de 23 anos, continua na unidade de tratamento intensivo, mas suas condições vem melhorando, afirmou Molins. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
LibérationTiroteioParis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.