Burhan Ozbilici/AP Photo
Burhan Ozbilici/AP Photo

Polícia francesa prende oito em operação antijihadista

Os sete homens e uma mulher foram detidos por fazerem parte de uma rede de recrutamento para a jihad na Síria

O Estado de S. Paulo

03 de fevereiro de 2015 | 10h13

PARIS - A polícia antiterrorismo francesa prendeu oito pessoas nesta terça-feira, 3, suspeitas de fazerem parte de uma rede de recrutamento de jovens para a jihad na Síria, disse o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve.

Os suspeitos, sete homens e uma mulher, que podem ser mantidos na prisão por até 96 horas sem acusações, foram detidos nos arredores norte de Paris e na região de Lyon, disse o ministro, de acordo com o que foi publicado em seu Twitter. "Eles estão agora nas mãos da polícia. É um assunto da Síria", disse um oficial da procuradoria francesa.

As prisões ocorreram após o governo socialista do presidente francês, François Hollande, revelar novas medidas de segurança em resposta aos ataques em Paris ocorridos em janeiro por militantes islâmicos, no qual 20 pessoas foram mortas, incluindo 3 agressores.

A polícia tenta impedir novos episódios de violência e encontrar possíveis cúmplices dos radicais islâmicos que atacaram o jornal satírico Charlie Hebdo e um mercado de produtos kosher.


Três dos detidos viajaram para a Síria e retornaram para a França em dezembro de 2014, informou um funcionário do governo francês, embora não esteja claro se eles se uniram ao Estado Islâmico ou a outro grupo.

A rede que foi alvo da ação desta terça começou a enviar combatentes franceses para a Síria em 2013. Pelo menos uma das pessoas que viajou foi morta no país, informou o funcionário. Outros integrantes da rede continuam na Síria. O grupo não parece estar envolvido em qualquer plano de ataque ou estar ligado a quaisquer outras redes descobertas na França nos últimos meses, acrescentou.

As autoridades francesas são alvo de críticas pelo excesso de zelo no combate a potenciais ameaças desde os ataques de janeiro. Dezenas de pessoas foram detidas por comentários vistos como declarações de defesa ao terrorismo, até um menino de oito anos foi interrogado pela polícia.

Na semana passada, a polícia deteve cinco pessoas na cidade de Lunel, sul do país, também suspeitas de enviar combatentes para o Oriente Médio. Segundo o Ministério do Interior, 161 processos legais foram abertos contra 547 pessoas suspeitas de planejar viagens ou por terem retornado da Síria e do Iraque.

Paris estima que cerca de 1.300 cidadãos franceses tenham conexões com células de recrutamento para Síria e Iraque, dos quais cerca de 400 já estão lutando ao lado de extremistas. /AP e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaterrorismojihadismoSíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.