Laszlo Balogh /Reuters
Laszlo Balogh /Reuters

Polícia húngara impede 900 imigrantes de viajar à Áustria e Alemanha

Governo diz que Berlim deve resolver questão da imigração e quer mandar tropas à fronteira para impedir entrada de refugiados

O Estado de S. Paulo

03 Setembro 2015 | 08h45

BUDAPESTE - A polícia da Hungria expulsou cerca de 900 imigrantes de um trem na cidade de Bickse, perto da fronteira com a Áustria, nesta quinta-feira, 3. O governo do primeiro-ministro Viktor Orban, do partido de nacionalista  Fidesz, pediu auxílio à Alemanha para cuidar do fluxo de refugiados, dizendo que o tema é um problema germânico e não europeu. 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Nós, húngaros, estamos cheios de medo. Esse problema é alemão, não é europeu'
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Os refugiados, em sua maioria sírios que fogem do Estado Islâmico, foram obrigados a descer dos vagões e protestaram contra a decisão do governo do país de transferi-los para um acampamento improvisado nos arredores de Budapeste. Contrariados, muitos dos imigrantes gritavam "Acampamentos, não"

"Nós, húngaros, estamos cheios de medo. Os europeus estão cheios de medo porque nossos líderes não conseguem controlar a situação", disse o premiê. "Esse problema é alemão, não é europeu. Nenhum deles (imigrantes) querem ficar na Hungria. Todos querem ir para a Alemanha."

Orban voltou a afirmar que enviará 3,5 mil soldados para a fronteira com a Sérvia para impedir a entrada de imigrantes no país. A maioria dos refugiados entra nos Bálcãs por terra pela Grécia, depois de atravessar o Mar Egeu vindos da Turquia.

Desde o começo do ano, 160 mil imigrantes chegaram à Hungria vindos do Oriente Médio. Mais da metade - 90 mil - entraram no país nos últimos dois meses.  / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Hungria Síria Alemanha refugiados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.