_pixel_trappa
_pixel_trappa

Polícia identifica 48 das 49 vítimas do massacre em Orlando

Último corpo foi removido da boate às 23h; idades das vítimas variam entre 20 e 50 anos

Cláudia Trevisan, Enviada especial / Orlando, O Estado de S. Paulo

13 Junho 2016 | 10h43

ORLANDO - A polícia identificou 48 das 49 vítimas mortas na madrugada de domingo na casa noturna Pulse, em Orlando, na Flórida, frequentada pelo público LGBT. O 50º morto era o atirador Omar Mateen. Até o momento, os nomes de apenas 26 vítimas foram divulgados pelas autoridades da cidade. Os demais serão revelados depois de suas famílias serem notificadas. As idades das vítimas variam de 20 a 50 anos e quatro delas eram mulheres.

O último corpo foi removido da boate às 23h de domingo. Durante a manhã, pessoas aguardavam informações sobre os mortos e os 53 feridos, sem saber com certeza se seus parentes estavam mortos. Para eles, o dia foi uma agonia interminável, com o lento processo de identificação das vítimas. No início da madrugada, os nomes de apenas 10 eram conhecidos.

Até agora, a vítima mais jovem é Luis Omar Ocasio-Capo, de 20 anos, enquanto a mais velha é Franky Jimmy Dejesus Velazquez, de 50. Entre as vítimas mortas estão pelo menos 12 pessoas de origem latina. Na noite de sábado, a boate realizava a Noite Latina.

O massacre foi cometido por Omar Mateen, de 29 anos, um americano filho de imigrantes do Afeganistão. Depois de um impasse de três horas no qual Mateen manteve parte do público da Pulse como refém, a polícia abriu buracos nas paredes do prédio e entrou no local. O atirador foi morto por policiais quando saiu.

Aos poucos, mensagens de texto enviadas por vítimas que estavam dentro da Pulse começaram a emergir. Em algumas delas, pessoas dizem que foram feridas, não acreditam que sobreviveram e se despedem de seus parentes.

A polícia disse que Mateen era o único suspeito dentro da casa noturna, mas investiga se outras pessoas o ajudaram a planejar a operação. Os investigadores também confirmaram que o atirador declarou lealdade ao Estado Islâmico. Antes do mês sagrado de Ramadã, que começou no dia 5, dirigentes do grupo extremista conclamaram seguidores em todo o mundo a atacarem "infiéis", especialmente nos Estados Unidos e na Europa.

O objetivo do apelo é estimular "lobos solitários", pessoas que agem de maneira individual sob inspiração da mensagem extremista do Estado Islâmico. Em mensagem de rádio, o grupo disse nesta segunda-feira, 13, que um de seus "combatentes" realizou o ataque. "Ele foi capaz de entrar em um encontro de cruzados em um clube noturno para seguidores das pessoas de Lot" - expressão usada pelo EI para se referir a homossexuais. /Com EFE e Associated Press

Nomes das vítimas divulgados:

Edward Sotomayor Jr., de 34 anos

Stanley Almodovar III, de 23 anos

Luis Omar Ocasio-Capo, de 20 anos

Juan Ramon Guerroro, de 22 anos

Eric Ivan Ortiz-Rivera, de 36 anos

Peter O. Gonzalez-Cruz, de 22 anos

Luis S. Vielma, de 22 anos

Kimberly Morris, de 37 anos

Franky Jimmy Dejesus Velazquez, de 50 anos

Eddie Jamoldroy Justice, de 30 anos

Darryl Roman Burt II, de 29 anos

Deonka Deidra Drayton, de 32 anos

Alejandro Barrios Martinez, de 21 anos

Anthony Luis Laureanodisla, de 25 anos

Jean Carlos Mendez Perez, de 35 anos

Amanda Alvear, de 25 anos

Martin Benitez Torres, de 33 anos

Luis Daniel Wilson-Leon, de 37 anos

Mercedez Marisol Flores, de 26 anos

Xavier Emmanuel Serrano Rosado, de 35 anos

Gilberto Ramon Silva Menendez, de 25 anos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.