Polícia identifica atirador de Virginia Tech

Ross Ashley, de 22 anos, era aluno de universidade próxima e tinha roubado carro na véspera de assassinar policial

BLACKSBURG, VIRGÍNIA, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2011 | 03h02

A polícia identificou ontem o atirador que matou um policial e colocou a Universidade de Virginia Tech - palco do massacre de 32 pessoas em 2007 - em alerta por quatro horas na quinta-feira como Ross Truett Ashley, um estudante de 22 anos da Universidade Radford.

Segundo a polícia, ele agiu sozinho e cometeu suicídio após executar o policial Deriek Crouse, de 39 anos, a única vítima do ataque. Um dia antes, Ashley roubou um veículo utilitário, que foi encontrado ontem no estacionamento da Virginia Tech.

Ainda de acordo com os investigadores, ao contrário do que diziam as primeiras versões do ataque, o atirador não estava no veículo parado pelo policial no estacionamento do ginásio poliesportivo McComas Hall. O suspeito fugiu para outro pátio, a 800 metros dali, trocou de roupa, e cometeu suicídio, disse a porta-voz da polícia Corinne Geller.

O motivo do ataque ainda é desconhecido. A polícia disse que o suspeito não tinha ligação com a vítima. A investigação concentra-se, agora, em descobrir o motivo do crime.

Segundo a porta-voz, Crouse parara o carro de um estudante para uma inspeção de rotina. O atirador então se aproximou dos dois e atirou no policial. A testemunha, diz a polícia, não tem envolvimento com o crime e tem ajudado nas investigações. O suspeito correu para o outro estacionamento e foi avistado por um outro guarda "em atividade suspeita". Quando o oficial se aproximou, o atirador estava morto, com a arma do crime ao lado.

Crouse era um veterano do Exército e pai de cinco filhos. Ele entrou para a polícia do câmpus, que conta com um efetivo de 50 guardas, em outubro de 2007, Ele foi premiado pelo esforço para reduzir os casos de embriaguez ao volante no câmpus. / EFE e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.