Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Polícia impede marcha de ex-premiê opositor no Paquistão

Sharif lidera protesto até a casa de juiz afastado; manifestação de advogados acaba em confrontos no país

Associated Press,

06 de dezembro de 2007 | 11h59

Centenas de advogados boicotaram os serviços da Corte nesta quinta-feira, 6, enquanto a polícia bloqueou o ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif e seus apoiadores de promoverem uma marcha até a casa do ex-presidente do Supremo, Iftikhar Chaudhry. Policiais fazem a segurança da casa do presidente da Suprema Corte. Foto: Efe Chaudhry está sob prisão domiciliar desde o dia 3 de novembro, quando o presidente Pervez Musharraf decretou estado de emergência no país. O acesso até a casa do juiz foi bloqueado por blocos de concreto e guardas. O juiz liderava a Suprema Corte, responsável por julgar a legitimidade da reeleição de Musharraf em outubro. Segundo a BBC, a opinião de observadores políticos, o presidente impôs restrições ao país por avaliar que a Suprema Corte estava prestes a emitir uma decisão contrária à sua reeleição. Musharraf substituiu vários juízes da corte, que, recomposta, acabou rejeitando todas as ações legais contra a candidatura de Musharraf, confirmando, na semana passada, sua reeleição. O incidente aconteceu no mesmo dia em que advogados voltaram a liderar protestos nas ruas do país contra o estado de emergência decretado, o retorno dos juízes afastados aos seus cargos e a restauração da Constituição. A paralisação atingiu as cidades de Islamabad, Peshawar, Quetta, Lahore e Karachi, onde os advogados se recusaram a trabalhar. Foram registrados choques com a polícia, e muitos legisladores ficaram feridos. Em Islamabad, Sharif liderou a passeata, que incluiu membros do seu partido, advogados e mulheres carregando flores, pedindo pela saída de Musharraf da chefia do governo. A candidatura de Sharif foi rejeitada nesta segunda-feira porque, segundo o responsável da Comissão Eleitoral Raja Qamaruz Zaman, há uma condenação judicial contra ele. Sharif foi condenado em 2000 à prisão perpétua por ter ordenado em outubro de 1999, quando era primeiro-ministro, o seqüestro do avião onde viajava o então chefe do Estado-Maior e hoje presidente, Pervez Musharraf, que retornava de uma visita oficial ao Sri Lanka.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.