Polícia impõe toque de recolher em cidade petrolífera na Nigéria

A polícia determinounesta sexta-feira toque de recolher ao anoitecer em PortHarcourt, a principal cidade petrolífera da Nigéria, apósdezenas de pessoas morrerem em conflitos armados. Até 40 pessoas morreram em tiroteios nas ruas entresoldados e criminosos fortemente armados, na quinta-feira, e osbandidos são esperados de volta na cidade, que serve como baseda maior indústria de petróleo da África. "Estou com medo de sair da minha casa", disse o mototaxistaNse Jim. "Os soldados estão em todo lugar, mas se você conheceesses caras ruins, eles vão recomeçar os problemas em dois outrês dias." A polícia informou que o movimento nas ruas será restritoentre 18h e 6h da manhã, até notificação futura. As lojasestavam reabrindo e as pessoas foram às ruas, mas em númeromenor do que o normal, e o trânsito estava ligeiramente maistranquilo. Port Harcourt é a maior cidade da indústria de petróleo daNigéria e empresas petroleiras incluindo a Royal Dutch Shelltêm escritório lá. Na cidade também fica a sede de duas dequatro refinarias da Nigéria. As empresas de petróleo disseram aos funcionários quepermanecessem em casa, mas os operários nos campos petrolíferose nos terminais de exportação do oitavo maior país exportadordo mundo seguiram inalterados. Após seis dias de conflitos entre gangues rivais na semanapassada, a polícia iniciou operações na quinta-feira usandometralhadoras e foguetes em supostos esconderijos dos bandidosna cidade. Jovens armados com rifles, dinamite e facas invadiram cincobairros da cidade, incluindo uma área ao redor da sede dogoverno local, e foram expulsos do local pelos militares emhelicópteros armados. Sagir Musa, porta-voz dos militares na operação, disse quea situação estava voltando ao normal. "Estamos procurando os esconderijos dos militantes, entãono caso de qualquer crise, as forças de segurança estãoposicionadas para conter isso no menor tempo", disse ele. (Reportagem adicional de Tom Ashby em Lagos) (Por Austin Ekeinde)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.