Polícia indiana divulga retrato de suspeitos de ataque a trem

A polícia indiana divulgou, nesta terça-feira, 20, retratos falados de dois suspeitos de terem plantado as bombas que causaram um incêndio em um trem que ia da Índia para o Paquistão, matando 68 pessoas.Os dois suspeitos, cujas identidades não são conhecidas, embarcaram no trem quando a composição deixou Nova Délhi, no domingo, mas logo começaram a discutir com o condutor, afirmando que haviam tomado o trem errado. Eles tiveram permissão para saltar do vagão quando o comboio reduziu a velocidade, cerca de 20 minutos antes das explosões. As informações são do policial Sharad Kumar.O trem viaja sem paradas entre Nova Délhi e a cidade de Atari, na fronteira. A revelação de que dois passageiros foram autorizados a saltar fora de uma das paradas regulares reafirma algo que o público indiano já sabia há tempos - que a segurança da linha ferroviária é, na melhor das hipóteses, meramente protocolar.Em mais um sinal do relaxamento da segurança, Kumar disse a jornalistas que 13 passageiros cruzaram para o lado paquistanês da fronteira, mesmo sem passaportes. "Não existe segurança na estação", afirma Ati-ur-Rahman, que na segunda-feira, 19, esperava pelo primo, desaparecido, que viajava para Lahore, última parada do trem, no Paquistão."Há alguns guardas malcriados e tudo o que eles querem é algumas centenas de rupias. Eles não fiscalizam nada", denunciou.O ministro indiano das Ferrovias, Lalu Prasad, ofereceu uma conformação tácita da situação: "Embora tenhamos detectores de metal, não temos o equipamento para checar o que está dentro da bagagem".Enquanto isso, um paquistanês que viajava no trem encontra-se sob interrogatório na Índia, embora as autoridades reconheçam que há pouca evidência ligando-o às explosões. "Ele foi encontrado em estado de embriaguez e está sendo interrogado. Mas seu relato é inconsistente e não chegamos ainda a nenhuma conclusão", disse um policial ferroviário, Bharti Arora.O objetivo do atentado parece ter sido atrapalhar a aproximação diplomática entre Índia e Paquistão, países vizinhos que têm armas nucleares e são rivais históricos. Mas, após as explosões, líderes das duas nações vieram a público reafirmando o compromisso com o processo de paz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.