Polícia inglesa "suprime" arquivos sobre caso Jean Charles de Menezes

Os encarregados de investigar o papel da polícia britânica na morte do brasileiro Jean Charles de Menezes, que foi identificado equivocadamente como terrorista suicida e recebeu diversos tiros na cabeça, não têm tido acesso a vários arquivos chave, segundo o The Sunday Times. O periódico citou "fontes bem informadas" para contar que a polícia metropolitana de Londres tem rechaçado "repetidas petições" da Comissão Policial Independente de Reclamações (IPCC) para desclassificar centenas de documentos internos. Os documentos se referem à avaliação interna da polícia metropolitana sobre a fracassada operação antiterrorista que provocou a morte de Jean no dia 22 de julho do ano passado. A polícia alvejou o jovem eletricista brasileiro, de 27 anos, com oito tiros - sete na cabeça - na estação de metrô de Stockwell, em Londres, um dia depois de anunciada uma suposta intenção de repetir os atentados suicidas de 7 de julho, que deixaram 56 mortos. O The Sunday Times afirmou que os papéis incluem discussões sobre a compensação que deveria receber a família de Jean, sobre se o chefe da polícia londrina Ian Blair ou a Scotland Yard poderiam enfrentar ações civis por danos e sobre as possíveis punições criminais contra os oficiais.

Agencia Estado,

05 Março 2006 | 07h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.