Polícia interrompe marcha de oposicionistas em Moscou

A polícia russa impediu que cerca de cem ativistas de oposição ao atual governo participassem de uma marcha por Moscou neste domingo. Três líderes ativistas foram detidos, inclusive o importante político Boris Nemtsov. Segundo os manifestantes, a marcha seria uma celebração do Dia da Bandeira, feriado que honra a flâmula tricolor adotada pelo governo democrático da Rússia após o fim da União Soviética.

AE-AP, Agência Estado

22 de agosto de 2010 | 16h12

Nemtsov afirmou que a decisão de interromper a marcha mostrou a mentalidade do governo do primeiro-ministro Vladimir Putin. "A bandeira é um símbolo de liberdade e democracia, menos para Putin", reclamou, falando à Associated Press no distrito policial da cidade. Nemtsov, que apoiou o presidente Boris Yeltsin em 1991, serviu ao governo nos anos 90, inclusive ocupou duas vezes o cargo de vice-primeiro-ministro.

A polícia de Moscou afirmou que Nemtsov e Mikhail Shneider, outro líder de oposição, foram detidos por tentar liderar uma marcha sem autorização oficial. Eles tinham permissão para organizar um comício, mas não para marchar pelo centro de Moscou. O porta-voz da polícia Viktor Biryukov disse ter "a impressão de que Nemtsov e Shneider provocaram a polícia intencionalmente. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
protestoMoscouoposição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.