Nathan Denette/The Canadian Press via AP
Nathan Denette/The Canadian Press via AP

Polícia investiga mensagem misógina em rede social do suspeito de matar 10 em Toronto

Na mensagem atribuída a Alek Minassian, ele declarou que 'a rebelião incel começou'; termo utilizado significa 'solteiro involuntário'

O Estado de S.Paulo

25 Abril 2018 | 02h16
Atualizado 25 Abril 2018 | 14h32

TORONTO, CANADÁ - A polícia de Toronto, no Canadá, confirmou na terça-feira, 24, que está investigando uma mensagem com tons misóginos publicada na página do Facebook de Alek Minassian, o suposto autor do atropelamento que matou dez pessoas na segunda-feira.

+ Suspeito de atropelar pedestres em Toronto é acusado por 10 homicídios dolosos, determina juiz

+ Policial que se recusou a atirar no suspeito do atropelamento no Canadá é elogiado

Os investigadores revelaram durante uma entrevista coletiva que a mensagem parece autêntica e faz referência a Elliot Rodger, um americano de 22 anos que em 2014 matou seis pessoas antes de se suicidar.

+ Polícia canadense evita ligar atropelamento em Toronto a terrorismo

+ Suspeito de ataque no Canadá era estudante retraído, dizem ex-colegas de turma

Antes de cometer os assassinatos, Rodger acusou as mulheres de fazerem dele um "incel", termo que significa "solteiro involuntário", pois tinha sido rejeitado por várias delas.

Na mensagem atribuída agora a Minassian, pouco antes do atropelamento, o jovem de 25 anos declarou que "a rebelião incel começou. Derrubaremos todos os Chads e Stacys".

Os termos “Chads e Stacys” também foram usados por Rodger em sua alegação misógina. Segundo ele, “Chads” são os homens que têm sucesso com as mulheres, enquanto “Stacys” são as mulheres que rejeitam os incel. A polícia afirmou que a maioria das vítimas do ataque com a van são mulheres, com idades entre 20 e 80 anos de idade. 

O chefe de polícia de Toronto, Mark Saunders, disse que Minassian foi detido sete minutos depois que a central recebeu a primeira ligação sobre o atropelamento, e não 26 minutos, como havia sido declarado anteriormente. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.