Polícia investiga suspeita de estupro por Jean Charles

A polícia metropolitana de Londres investiga uma acusação de que o eletricista Jean Charles de Menezes teria estuprado uma mulher, informa a edição deste domingo do jornal britânico The Independent on Sunday. Segundo o jornal, policiais entraram em contato com advogados da família de Jean Charles para pedir permissão para examinar amostras de DNA coletadas após sua morte, em julho de 2005, quando ele levou oito tiros da polícia numa estação de metrô em Londres. O inquérito aberto pela polícia metropolitana segue uma acusação feita mais de seis meses após a morte do eletricista, por uma pessoa que teria sido atacada na região central de Londres. "A vítima de um estupro em West End há mais de três anos entrou em contato conosco no início deste ano e forneceu o nome de um suspeito. O nome fornecido foi o de Jean Charles de Menezes... e as investigações continuam", diz um comunicado da polícia metropolitana. "Raiva" Fontes ligadas à família, ouvidas pelo The Independent on Sunday, reagiram com "raiva" contra a acusação. Elas acusam a polícia metropolitana por deixar vazar propositalmente os detalhes de um inquérito sobre estupro numa tentativa de desviar a atenção da investigação sobre as circunstâncias da morte de Jean Charles. Os familiares do eletricista já fizeram uma queixa contra o chefe da polícia, Ian Blair, que, segundo eles, enganou o público com afirmações feitas após o incidente no metrô de Stockwell. "Esta é uma tentativa calculada de desviar da responsabilidade. Primeiramente (a polícia) tentou dizer que ele era um terrorista e agora isso... ele não está mais aqui para poder se defender", disse uma fonte ouvida pelo jornal. O Ministério Público britânico analisa o relatório elaborado por uma comissão independente que investigou o caso e decide até abril se policiais envolvidos na operação que resultou na morte de Jean Charles serão acusados.

Agencia Estado,

12 Março 2006 | 08h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.