Polícia iraquiana mata 53 insurgentes nos arredores de Bagdá

Forças especiais da Polícia iraquiana lançaram neste sábado várias operações contra grupos insurgentes nas cercanias de Bagdá e mataram 53 homens armados, anunciou o porta-voz do Ministério do Interior, Abel Karim Jalas. Jalas explicou que as detenções aconteceram durante os enfrentamentos que foram travados com os insurgentes e que duraram cerca de cinco horas no bairro de Al-Tuwaiza, 20 quilômetros ao sudeste do centro da capital. Além disso, outros 16 insurgentes foram detidos na operação, afirmou o responsável iraquiano, que acrescentou que a Polícia do país conseguiu também apreender onze veículos carregados com armas e munição pertencentes aos insurgentes. As novas detenções acontecem no mesmo dia em que as autoridades iraquianas reforçaram a segurança e impuseram um toque de recolher total em Bagdá e nas províncias de Diyala e Salah el Din, ambas no centro do Iraque. As medidas foram adotadas em previsão dos possíveis atos de violência que podem ocorrer em razão do anúncio do veredicto no "caso Dujail", no qual se acusa Saddam Hussein e sete de seus antigos colaboradores por suas supostas implicações na morte de 148 xiitas, em 1982. Soldado morto O Exército americano anunciou a morte neste sábado de um de seus soldados, atingido por disparos em um ataque de insurgentes em al-Anbar (oeste do Iraque), segundo um comunicado do comando militar. A nota explica que um uniformizado das tropas multinacionais perdeu a vida quando vários insurgentes atacaram seu comboio com armas leves. Na quinta-feira, sete soldados americanos morreram em diversos incidentes ocorridos em Bagdá e al-Anbar, considerado um reduto da insurgência árabe sunita. Com estas novas baixas, sobe para 2.825 o número de soldados americanos mortos no Iraque desde o início, em março de 2003, da invasão e da posterior ocupação do país por tropas multinacionais lideradas pelos Estados Unidos.

Agencia Estado,

05 Novembro 2006 | 06h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.