Bryan Denton/The New York Times
Bryan Denton/The New York Times

Polícia iraquiana mata líder do EI quando tentava fugir por rio

Os jihadistas se dirigiam para a zona liberada de Yarmaga, situada no sudeste da cidade de Mossul

O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2017 | 07h02

MOSSUL - Um 'líder destacado' do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) e seu 'assistente' foram mortos pela polícia do Iraque, quando tentavam fugir para o leste da cidade de Mossul, pelo rio Tigre, informou neste sábado, 23, à Agência Efe uma fonte policial.

Uma unidade do corpo matou um 'líder destacado' do EI, que foi identificado como Yasem Mohamed Aaqul, e a um dos seus 'assistentes', quando cruzavam o rio Tigre - que divide a cidade em dois - em uma barca, assegurou o chefe da Polícia da província de Nínive, o general de brigada, Wasiq al Hamdani.

Os jihadistas se dirigiam para a zona liberada de Yarmaga, situada no sudeste da cidade de Mossul, e foram encontrados graças ao trabalho da Inteligência iraquiana.

Al Hamdani disse que detectaram 'dezenas de casos' de jihadistas que estão fugindo do oeste de Mossul, onde se concentra a última fase da ofensiva para expulsar definitivamente os radicais do que foi o seu principal feudo no Iraque.

As forças iraquianas controlam agora 'a mesma superfície' que ocupa atualmente o EI na cidade velha, o último reduto dos extremistas na região, disse ontem, o comandante das Forças Antiterroristas, Maan al Saadi.

Ataque. Pelo menos oito pessoas morreram e outras 19 ficaram feridas em um ataque realizado nas últimas horas por dois homens-bomba em um bairro libertado do leste da cidade de Mossul, no Iraque, informou o exército neste sábado, 24, à Agência Efe.

Em um comunicado, o exército assegurou que cinco civis e três polícias morreram, além das 19 que ficaram feridas, depois que dois "terroristas" lançaram um ataque contra uma área comercial e uma mesquita no bairro oriental de Al Muzana.

A fonte assegurou que os dois suicidas usavam coletes de explosivos, além de rifles e granadas, e pelo menos um se explodiu em um mercado depois que um policial, identificado como Aziz al Surgui, lhe abordou.

A explosão também causou danos materiais no lugar, acrescentou o comunicado.

Além disso, o exército iraquiano matou um terceiro suicida, que estava perto da mesquita de Al Rashan, no mesmo distrito.

O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) anunciou na rede de mensagens Telegram, ainda que sua veracidade não pôde ser comprovada, que "soldados do califado" fizeram um ataque no bairro de Al Muzana.

Os ataques aconteceram um dia antes do início do Eid al-Fitr, celebração muçulmana que encerra o mês sagrado do Ramadã, razão pela qual muitas pessoas frequentam as áreas comerciais para comprar os artigos típicos para os dias de festa. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueEstado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.