Polícia iraquiana precisa de um ano para atuar sozinha

Novo relatório do Congresso dos EUA conclui que força policial é ineficaz e deve ser dissolvida

AP, REUTERS E NYT, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2006 | 00h00

Bagdá - As forças iraquianas alcançaram um "progresso irregular" e não serão capazes de assumir a segurança do país antes de um período de 12 a 18 meses, indicou um novo relatório de uma comissão independente do Congresso dos EUA.O estudo foi conduzido pelo general da reserva James Jones, que deve testemunhar hoje no Congresso. Segundo ele, a polícia nacional do Iraque deve ser dissolvida e reorganizada, já que é "operacionalmente ineficaz". "O sectarismo presente nas unidades mina sua habilidade de garantir a segurança; a força (policial) não é viável em seu modelo atual", afirma o relatório.O Exército iraquiano, entretanto, obteve uma avaliação mais positiva, com "evidências de que se está fortalecendo e será capaz de assumir grandes responsabilidades em relação à segurança do país". Jones, que foi comandante do Exército e dos marines, sugeriu que o Ministério do Interior seja reformado "de uma maneira que fique livre de favoritismo sectário". Formado por 20 militares da reserva e chefes de polícia, o grupo que preparou o relatório viajou três vezes para o Iraque e entrevistou mais de 200 militares iraquianos, americanos e funcionários dos dois governos. Na terça-feira, um relatório preparado pelo Escritório de Supervisão do Governo (GAO, na sigla em inglês), outra comissão independente do Congresso, mostrou que o número de soldados iraquianos capazes de conduzir operações militares diminuiu. Ainda assim, o general David Petraeus, comandante do Exército americano no Iraque, afirmou, também na terça-feira, que a retirada dos soldados pode ter início em março, ou até antes.Petraeus, juntamente com o embaixador dos EUA em Bagdá, Ryan Crocker, está preparando um aguardado relatório sobre o andamento da guerra, que será apresentado ao governo na próxima semana. O documento analisará o impacto do aumento de 30 mil soldados dos EUA no Iraque, há oito meses.IRÃ NA MIRAAs forças americanas capturaram ontem, em Kerbala, um iraquiano que teria ligações com as Forças Al-Quds, uma unidade de elite da Guarda Revolucionária do Irã. O suspeito, cujo nome não foi divulgado, estaria ajudando as forças iranianas a enviar armas para milícias xiitas do Iraque. Segundo o major americano Winfield Danielson, ele era responsável pelo transporte de rebeldes iraquianos para um "centro de treinamento para terroristas" em território iraniano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.