Polícia israelense agride turistas ocidentais

A polícia israelense agrediu nesta quarta-feira, num posto de checagem, manifestantes americanos e europeus quetentavam entrar na Faixa de Gaza para uma visita de dois diasnuma mostra de solidariedade aos palestinos, disseram osmanifestantes. Depois que policiais afirmaram que eles não poderiam entrar,alguns dos 90 manifestantes saíram de seus ônibus e tentaramcaminhar através da fronteira com suas mãos para o ar, mas foramnovamente forçados a recuar. Falando por telefone celular, Brian Wood, 26 anos, de Denver,EUA, afirmou que policiais civis e guardas fronteiriçosparamilitares jogaram alguns no chão e agrediram outros,inclusive ele, que recebeu um soco no rosto. "Vi um (policial),ele literalmente passou por cima de três idosas", disse."Mesmo outros policiais tentaram segurá-lo". Wood afirmou que policiais fronteiriços fizeram disparos defuzil para o ar, empurrando com força manifestantes - algunsvestindo camisas com a inscrição "Palestina Livre" - de voltaaos ônibus e tomando suas câmeras. Soldados também detiveram uma delegação palestina que esperavapara receber os manifestantes, divulgou The Palestine Monitor,uma organização não-governamental palestina. Pelo telefone, um repórter pôde ouvir uma voz gritando paraWood: "Você, venha comigo!" O porta-voz policial Gil Kleiman afirmou que policiais,chamados pelo Exército para afastar os manifestantes, nãoagrediram ninguém, e que a polícia só usou a força para retiraros que resistiam na rua e colocá-los de volta nos ônibus. Ele disse que uma francesa foi detida para interrogatório eposteriormente liberada. Os manifestantes pertecem a dois grupos pró-palestinos,incluindo também pessoas da França, Bélgica e Inglaterra. Elesplanejavam visitar a Cidade de Gaza, Rafah e o campo derefugiados de Khan Younis e encontrarem-se com Haider AbdelShafi, diretor da Crescente Vermelha palestina. Na noite anterior, membros de um dos grupos, o Movimento deSolidariedade Internacional, reuniu-se para cantar músicas deNatal com palestinos num posto de checagem do Exército entre acidade cisjordaniana de Belém e Jerusalém. Soldados israelenses impediram que repórteres cobrissem amanifestação. O Exército israelense declarou a área uma zonamilitar fechada e expulsou os repórteres. A restrição foi suspensa meia hora depois do fim do ato. AAssociação Internacional de Imprensa protestou contra a medidaisraelense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.