Polícia israelense e palestinos se enfrentam em Jerusalém Oriental

Polícia israelense e palestinos se enfrentam em Jerusalém Oriental

Forças de segurança invadiram bairro de suspeitos de ataque a facadas em sinagoga que deixou quatro mortos e oito feridos

O Estado de S. Paulo, O Estado de S. Paulo

18 de novembro de 2014 | 08h50


Grupos de palestinos entraram em confronto nesta terça-feira com as forças israelenses em Jabal al-Mukaber, bairro de Jerusalém Oriental de onde procediam os dois homens que mataram hoje quatro pessoas em uma sinagoga de Jerusalém Ocidental, antes de serem executados pela polícia, informou a imprensa local.

O ataque foi cometido, segundo fontes palestinas, por Ghassan Abu Jamal e Odai Abu Jamal. Os dois seriam parentes de um preso palestino libertado na troca pelo soldado israelense Gilad Shalit.

Em mensagem divulgada em sua página no Facebook, o porta-voz do Hamas na Cisjordânia, Hussam Badram, vinculou o ataque à morte ontem de um motorista de ônibus palestino, que apareceu enforcado.

Enquanto a polícia israelense assegura que se tratou de um suicídio, a família e os amigos do palestino afirmam que ele foi vítima de um ataque de judeus extremistas.

"Abençoamos a operação em Jerusalém e apreciamos o heroísmo dos que a levaram a cabo. É um ato seletivo de resistência à ocupação e uma resposta prática aos contínuos crimes dos ocupantes, o último dos quais foi enforcar a sangue frio um motorista de ônibus ontem em Jerusalém", afirmou Badram.

Quase ao mesmo tempo, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, advertiu que responderá "com punho de ferro" ao ataque, o mais sangrento cometido na cidade desde 2008, e acusou o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, e o movimento islamita Hamas de provocá-lo./  EFE

Mais conteúdo sobre:
Israelpalestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.