Polícia italiana desmantela rede que explorava crianças búlgaras

As autoridades italianas desmantelaram uma organização que traficava crianças procedentes da Bulgária e as submetia a condições de escravidão na Itália e em outros países europeus, informaram nesta segunda-feira fontes oficiais.Segundo os Carabineiros (Polícia militar italiana), a rede havia "comprado" nos últimos anos centenas de crianças de entre oito e 13 anos de famílias búlgaras em condições de extrema pobreza, que recebiam em troca parte da renda que o grupo obtinha com a exploração dos menores.A Direção Antimáfia de Trieste (norte da Itália) ordenou a detenção de 41 pessoas na Itália, Bulgária, Alemanha e Áustria. Elas são acusadas de associação para delinqüir para escravidão, imigração clandestina e tráfico de drogas e de divisas.Os integrantes do grupo obrigavam as crianças a efetuar roubos, embora em algumas ocasiões também as submetessem à exploração sexual, explicou em Trieste o comandante dos Carabineiros Giampaolo Ganzer.Ele acrescentou que várias das meninas identificadas, de até 13 anos, estão grávidas. "A organização tem, sobretudo, participação búlgara, por isso lançamos a operação após uma investigação de quase três anos em estreita colaboração com a Polícia búlgara", detalhou Ganzer a meios de comunicação locais.O âmbito de atuação do grupo é extremamente amplo. "Foram identificadas centenas de crianças, mas seguramente há muitos mais", acrescentou.Na Itália, as detenções ocorreram nas regiões de Friuli Venezia Giulia, Vêneto e Ligúria, no norte do país. Também houve revistas em diferentes áreas da Lombardia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.