Polícia do Estado/via REUTERS
Polícia do Estado/via REUTERS

Polícia italiana encontra arsenal de guerra de grupos neonazistas

Três pessoas foram presas, entre elas um ex-candidato ao Senado italiano; entre as armas, foi encontrado um míssil ar-ar de 800 kg ainda em condições de funcionamento

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2019 | 18h48

ROMA - Um arsenal que incluía um míssil ar-ar e várias armas de diferentes calibres foi apreendido nesta segunda-feira, 15, com simpatizantes de extrema direita no norte da Itália, informou a polícia local. A operação antiterrorista investigava italianos “de ideologia extremista” que lutaram ao lado de rebeldes pró-Rússia contra tropas ucranianas.

Durante a operação, a polícia encontrou um míssil ar-ar Matra, de fabricação francesa, que aparentemente pertenceu às Forças Armadas do Catar. Verificações subsequentes mostraram que a arma estava em condições de funcionamento, mas não possuía carga explosiva.

As autoridades encontraram também 20 armas sofisticadas, entre elas fuzis de assalto automáticos de “última geração” e grande quantidade de munição e de objetos de propaganda neonazista.

O míssil foi encontrado em um armazém perto da cidade de Voghera, leste de Turim. Lá foram presos Alessandro Monti, de 42 anos, que é suíço e proprietário do local, e o italiano Fabio Bernardi, de 51 anos. Em Pavia, norte da Itália, a polícia prendeu Fabio Del Bergiolo, de 60 anos, funcionário de alfândega e ex-candidato ao Senado de uma cidade italiana em 2001 pelo partido nacionalista de extrema direita Força Nova.

A polícia disse que os suspeitos tentaram vender o míssil em conversas com contatos no aplicativo de mensagens WhatsApp. As investigações começaram um ano atrás quando as autoridades em Turim começaram a monitorar pessoas ligadas a grupos de extrema direita que combateram contra os separatistas ucranianos na região de Donbass. Em uma das comunicações interceptadas, os suspeitos enviaram fotos do míssil e falaram em vendê-lo por € 470 mil (US$ 529 mil).

“Temos algumas ideias sobre o que queriam fazer com o material apreendido, mas não vamos divulgar suposições”, declarou o chefe da polícia de Turim, Giuseppe De Matteis. “Até o momento, não há nada que nos leve a pensar em projetos subversivos”, destacou Eugenio Spina, integrante do setor antiterrorismo. O míssil ar-ar Matra Super 530 F, tem 3,54 metros e 800 kg, entrou em serviço em 1980, tem um alcance de 25 quilômetros e pode levar uma carga explosiva de 30 quilos.

Entre outras armas encontradas estavam 26 pistolas, 20 baionetas, 306 peças de armas, incluindo silenciadores e miras de fuzil, e mais de 800 balas de vários calibres. As armas eram principalmente da Áustria, Alemanha e Estados Unidos. As buscas ocorreram nesta segunda pela manhã, em coordenação com as autoridades de Milão, Varese, Pavia, Novara e Forli.

“A investigação policial ... surgiu por causa das atividades de alguns combatentes italianos de origem extremista que participaram do conflito armado na região ucraniana de Donbass”, disse a polícia.

Mais de 10 mil pessoas foram mortas desde 2014 na luta entre separatistas pró-Rússia e forças ucranianas no leste da Ucrânia. / REUTERS e AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Itália [Europa]nazismoneonazismoarma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.