Elio Desiderio/ANSA via AP
Elio Desiderio/ANSA via AP

Polícia italiana prende capitã de navio que resgatava imigrantes

Sob comando de Carola Rackete, navio Sea-Watch 3 transportava 40 pessoas

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2019 | 10h14

O navio humanitário Sea Watch, com 40 imigrantes resgatados no Mediterrâneo, entrou no porto italiano de Lampedusa e sua capitã, Carola Rackete, foi imediatamente detida, informou à AFP a ONG responsável pela operação.

Rackete "acaba de ser detida", disse Ruben Neugebauer, porta-voz do Sea Watch, na madrugada deste sábado, 29. O porta-voz acrescentou que os 40 emigrantes permanecem a bordo do navio, já atracado no cais.

O diretor da ONG, Johannes Bayer, escreveu no Twitter: "estamos orgulhosos da nossa capitã, que fez o era necessário, insistiu no direito marítimo e colocou estas pessoas em um ambiente seguro".

Rackete havia ignorado o bloqueio do seu navio nas águas territoriais italianas imposto pelo ministro do Interior, Matteo Salvini, de extrema direita.

O próprio Salvini solicitou publicamente a prisão de Rackete e do restante da tripulação do Sea Watch por ajudar a imigração clandestina, assim como o sequestro do navio.

Inicialmente, a polícia marítima ordenou que o navio detivesse seu progresso quando se encontrava a uma milha náutica do porto.

Durante a sexta-feira, Rackete manteve contato permanente de vídeo com jornalistas em Roma, quando denunciou uma situação "incrivelmente tensa" a bordo do Sea Watch, repleto de imigrantes.

"Neste momento a situação é incrivelmente tensa, e está piorando a cada momento (...). É muito difícil psicologicamente para todos", declarou Rackete, de 31 anos.

Na quinta-feira, personalidades italianas haviam visitado o navio e o político Riccardo Magi declarou que os imigrantes "não podiam passar mais um dia" naquela "situação insustentável". / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.