EFE
EFE

Polícia mantém cerco ao atirador de Toulouse, mas perde contato com o suposto assassino

Mohammed Merah havia prometido se entregar às 22h45 de quarta-feira, mas mudou de discurso e declarou que queria 'morrer com as armas nas mãos''

EFE,

22 Março 2012 | 05h47

Paris, 22 - A polícia de Toulouse, no sul da França, mantém o cerco à casa de Mohammed Merah, principal suspeito pela morte de um professor e três crianças em frente a uma escola judaica na segunda-feira, 19.

Segundo o ministro do Interior, Claude Guéant, durante a noite não houve contato com Merah e, por isso, não possível afirmar se ele ainda está vivo. "São contempladas todas as hipóteses. Temos uma prioridade, que é entregá-lo à Justiça, e para isso é preciso detê-lo vivo. Esperamos que siga vivo", declarou Guéant à emissora de rádio RTL.

O suposto assassino havia prometido se entregar às 22h45 de quarta-feira, mas mudou de discurso e declarou que queria "morrer com as armas nas mãos".

Desde então, segundo o ministro, não houve novo contato nem qualquer manifestação por parte do atirador. 

Mohammed Merah, de 23 anos, está cercado desde as 3h de quarta-feira (horário local) em seu domicílio, um apartamento no primeiro andar de um edifício no bairro Côte Pavée.

Agentes do RAID, o corpo de elite da Polícia francesa, estão usando explisivos para pressionar o suspeito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.