Polícia matou mais de 100 na Síria, dizem ativistas

Mais de cem pessoas foram mortas ontem por disparos efetuados pela polícia na cidade de Deraa, no sul da Síria. A informação foi divulgada hoje por ativistas pelos direitos humanos e confirmada por testemunhas. "Há certamente mais de cem mortos, e a cidade precisará de uma semana para enterrar seus mártires", afirmou por telefone o ativista Ayman al-Asswad, que está em Deraa. As forças de segurança dispararam contra manifestantes que estavam perto de uma mesquita. Já o governo atribuiu a violência a "gangues".

AE, Agência Estado

24 de março de 2011 | 11h03

Desde 1963 está em vigor na Síria uma lei de emergência proibindo manifestações. Há sete dias, porém, acontecem vários pequenos protestos pedindo o fim do governo do presidente, Bashar Al-Assad, que sucedeu o pai em 2000. Deraa é uma cidade localizada cem quilômetros ao sul de Damasco e perto da Jordânia, em uma área onde vivem grandes famílias tribais. Ali ocorrem os principais protestos, os últimos de uma série em países árabes contra regimes autocráticos há décadas no poder. Na terça-feira, a União Europeia (UE) condenou a "violenta repressão" aos protestos, qualificando-a como "inaceitável". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaprotestospolíciamortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.