Polícia mexicana encontra 21 corpos espalhados pelas ruas com notas de ameaça

Bilhetes diziam que crime continuará ocorrendo com "ladrões, sequestradores e estupradores"

Efe

09 de junho de 2011 | 08h34

CIDADE DO MÉXICO - As autoridades da localidade de Morelia, no estado de Michoacán, localizaram 21 corpos espalhados pelas ruas da cidade, todos eles com mensagens de ameaça, informa a imprensa local nesta quinta-feira, 9.

 

O titular da Procuradoria Geral de Justiça (PGJ) do estado de Michoacán, Jesús Montejano Ramírez, confirmou a notícia e garantiu que as autoridades locais trabalham em coordenação com as federais para descobrir os autores dos fatos.

 

"Depois das 21h (23h de Brasília), começamos a receber as ligações que nos indicavam onde estavam todos os corpos e passamos a trabalhar imediatamente, buscando que os indícios se conservem para ter uma boa investigação", destacou Montejano ao jornal "Provincia".

 

Os cadáveres, que até o momento não foram identificados, eram de homens de idades entre 25 e 40 anos e apresentavam sinais de tortura e tiros.

 

Segundo o jornal "Milenio", todos tinham cartazes com os dizeres: "porque a sociedade pediu, isto vai acontecer com aqueles que continuarem roubando as casas, com os sequestradores, com os estupradores".

 

Os corpos foram jogados de forma simultânea em vários pontos da cidade e das estradas divisórias.

 

"Temos uma equipe completa de trabalho orientada a fazer uma verdadeira investigação e (examinar) qualquer indício, qualquer linha de indagação que nos permita encontrar os autores desses lamentáveis fatos", acrescentou o titular da PGJ.

 

O estado de Michoacán é o reduto do cartel de La Família, um dos maiores e mais violentos do México, envolvido com o tráfico de drogas, sequestros e extorsões.

 

Valas comuns

 

Em Acapulco, policiais localizaram nesta quinta os corpos de oito homens e duas mulheres em seis valas comuns clandestinas em um bairro do importante centro turístico do sul do México, em Guerrero.

 

A Secretaria de Segurança Pública de Guerrero informou que um telefonema de denúncia alertou as autoridades sobre a existência de valas clandestinas no bairro La Providencia.

 

Compareceram ao local membros da Base de Operações Mistas Urbanas, acompanhados de funcionários do Ministério Público, peritos e médicos legistas.

 

Segundo a fonte, que não deu detalhes sobre as causas da morte das vítimas, disse que ainda será feita a escavação de uma outra fossa, na quinta-feira.

 

No estado de Guerrero, há uma grande disputa entre grupos de narcotraficantes, que se dividiram após a morte ou captura de alguns de seus líderes.

Tudo o que sabemos sobre:
Méxicoviolênciaassasinatovala comum

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.