Polícia mexicana intercepta caminhões com mais de 500 clandestinos

Estrangeiros viajavam em condições desumanas com destino aos EUA, segundo autoridades

Agência Estado

17 de maio de 2011 | 19h40

CHIAPAS - Cerca de 500 imigrantes clandestinos que viajavam em condições desumanas em dois caminhões de carga, com os EUA como destino, foram interceptados e detidos nesta terça-feira, 17, no sul do México pelas autoridades. A Procuradoria da Justiça do Estado de Chiapas informou que os clandestinos, em sua maioria centro-americanos, foram interceptados em um acesso rodoviário à capital de Chiapas, Tuxtla Gutiérrez, onde as autoridades possuem um posto de controle permanente com um aparelho de raio-X que examina as cargas dos caminhões.

 

Os motoristas dos caminhões, ao perceber que os clandestinos haviam sido descobertos nos compartimentos de cargas dos veículos, tentaram fugir, mas foram capturados. Também foram detidos cinco "coiotes", ou traficantes de seres humanos, que costumam levar clandestinos ao México e aos EUA em troca de pagamento.

 

No primeiro caminhão, estavam 240 pessoas: uma japonesa, três chineses, seis equatorianos, 19 salvadorenhos e 211 guatemaltecos. No segundo caminhão, as autoridades de Chiapas encontraram 273 pessoas: um dominicano, um hondurenho, seis nepaleses, 12 indianos, 26 equatorianos, 28 salvadorenhos e 199 guatemaltecos.

 

Os clandestinos foram atendidos nos escritório de imigração, onde receberam água, alimentos e atendimento médico. Muitos estavam desidratados. A procuradoria informou que os centro-americanos serão enviados a Tapachula, cidade na fronteira da Guatemala, onde serão deportados. Já os demais serão enviados à Cidade do México, onde as embaixadas dos seus países serão comunicadas e eles serão deportados. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Méxicoimigraçãocaminhões

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.