Reginaldo Pereira/Efe
Reginaldo Pereira/Efe

Polícia Militar da Bahia passa a escoltar Yoani Sánchez após protestos

Blogueira cubana e colunista do 'Estado' lamentou situação mas elogiou 'liberdade de expressão' no Brasil

Guilherme Russo, enviado especial a Feira de Santana,

19 Fevereiro 2013 | 12h31

FEIRA DE SANTANA (BA) - Sob um esquema policial atípico em Feira de Santana (BA), a blogueira cubana e colunista do Estado, Yoani Sánchez, concedeu uma entrevista coletiva na manhã desta terça-feira, 19. Na noite anterior, ela havia enfrentado um intenso protesto, que impediu a exibição do documentário Conexão Cuba-Honduras, do cineasta Dado Galvão. Então, o prefeito da cidade baiana, José Ronaldo de Carvalho (DEM), que esteve no local da manifestação, pediu ao comando da Polícia Militar da localidade que garantisse a segurança da ativista durante sua visita.

Pelo menos 14 policiais militares e seis guardas municipais vigiaram o entorno da Câmara de Dirigentes Lojistas, no centro de Feira de Santana, onde Yoani chegou escoltada por um carro de polícia, para conceder a entrevista. Preocupados com possíveis protestos, os organizadores da viagem da cubana à Bahia cancelaram as visitas da blogueira ao mercado de arte e ao Museu do Sertão, anteriormente programadas para ocorrer nesta manhã.

Yoani está preocupada com sua segurança, apesar de elogiar a "pluralidade" e a "liberdade para se manifestar" existentes na sociedade brasileira. "Agradeço muito (o reforço na segurança). Foi um gesto muito positivo me brindar com essa proteção. Mas lamento que a situação tenha chegado a esse ponto, pois sou uma pessoa que utiliza a palavra, não uso armas", disse a dissidente ao Estado, pouco após o término da entrevista coletiva, que durou cerca de duas horas. Ela também lamentou que "a visita de uma filóloga" tenha se convertido em "uma situação de risco físico."

Na noite desta terça-feira, Yoani deve participar de um debate, programado para 19h, na Unidade de Ensino Superior de Feira de Santana (UNEF).

Aeroportos

Além do protesto que impediu a exibição do documentário e acabou resultando em um debate improvisado pelo senador Eduardo Suplicy (PT), que esteve no local, a União da Juventude Socialista (UJS) organizou na segunda-feira outras duas manifestações, quando a blogueira passou pelos aeroportos do Recife e de Salvador, a caminho de Feira de Santana. A entidade promete organizar mais mobilizações de repúdio à presença de Yoani no Brasil.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.