Polícia nega falha em ataque que matou 24 no Paquistão

O chefe da polícia paquistanesa, Liaqat Ali Khan, negou que tenha ocorrido falha na segurança local antes de o país sofrer com mais um atentado. "Eu mesmo passei por ali um minuto antes da explosão", relatou Khan. Hoje, um militante suicida a bordo de um veículo repleto de explosivos atacou uma movimentada rua comercial de Charsadda, no noroeste do Paquistão, matando pelo menos 24 pessoas, segundo informações da polícia local.

AE-AP, Agencia Estado

10 Novembro 2009 | 20h59

Mais cedo, o ministro da Informação da Província do Noroeste, Mian Iftikhar Hussain, informou que 30 pessoas tinham sido mortas, mas o número de mortos foi corrigido mais tarde pelo chefe da polícia: foram 24 pessoas mortas e 64 feridas.

O ataque dá continuidade a uma série de atentados de militantes do Taleban e de grupos ligados à rede extremista Al-Qaeda ocorridos recentemente em represália à tentativa do Exército do Paquistão, sob forte pressão dos EUA, de controlar a atividade de ambos grupos na porosa fronteira do Paquistão com o Afeganistão.

A administração do presidente norte-americano Barack Obama enfrenta críticas quanto a um plano de enviar mais tropas ao Afeganistão, onde a luta contra o Taleban já matou centenas de soldados norte-americanos. Com informações da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Paquistão explosão carro-bomba mortos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.