Polícia paquistanesa detém supostos membros da Al-Qaeda

Policiais paquistaneses invadiram hoje um suposto esconderijo da rede terrorista Al-Qaeda em Karachi, matando dois homens que portavam armas e capturando pelo menos cinco em uma batalha que durou quase três horas. Uma menina de quatro anos morreu no fogo cruzado. De acordo com a polícia, cinco agentes - três policiais e dois funcionários dos serviços de inteligência - ficaram feridos, dois deles gravemente.Em Islamabad, o Ministério do Interior afirmou que todos os detidos eram estrangeiros, sem, no entanto, informar sua nacionalidade. Um agente que pediu para não ser identificado informou que os suspeitos eram árabes e afegãos.Uma outra fonte, que também pediu anonimato, afirmou que as autoridades encontraram computadores portáteis, panfletos e livros no apartamento invadido, e que suspeitam que os detidos sejam membros da Al-Qaeda. Acredita-se que muitos fugitivos da rede terrorista se refugiaram em Karachi, a maior cidade do Paquistão, depois da queda do Taleban no vizinho Afeganistão.De acordo com um agente da inteligência paquistanesa, que também pediu para que seu nome não fosse divulgado, a polícia invadiu o apartamento, localizado em um prédio de cinco andares de um bairro de classe alta, depois de ter recebido uma informações sobre "pessoas suspeitas que viviam no local".O chefe da polícia de Karachi, Kamal Shah, afirmou que dois homens armados foram detidos dentro do apartamento. Outros conseguiram fugir pelo teto, onde enfrentaram a polícia por cerca de três horas antes de serem mortos ou capturados. Os homens portavam fuzis de assalto Kalashnikov, submetralhadoras e granadas, um arsenal mais poderoso que o utilizado por criminosos comuns em Karachi."Não estou dizendo que foram criminosos comuns, mas tenho que avaliar a situação", disse Shah depois do término do cerco ao prédio.De acordo com a fonte da inteligência, um dos suspeitos escreveu na parede da cozinha, com o próprio sangue, "não há outro Deus senão Alá".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.