Suzanne Plunkett/Reuters
Suzanne Plunkett/Reuters

Polícia prende 20 em protesto estudantil em Londres

Manifetantes são contra medidas de austeridade que aumentam valor pago pela educação superior

Reuters

09 de novembro de 2011 | 17h52

LONDRES - A polícia de Londres prendeu ao menos 20 pessoas nesta quarta-feira, 9, que participavam de marchas contra medidas de austeridade do governo conservador que aumentaram o valor pago pela educação universitária na Grã-Bretanha.

 

A maioria as detenções ocorreu após um grupo de separar da manifestação central e armar barracas na praça Trafalgar, um dos pontos turísticos mais famosos de Londres, simulando o acampamento que por dias ficou montado na Catedral de São Paulo durante o mês de outubro.

 

No ano passado, quatro protestos estudantis levaram a enfrentamentos violentos com as forças de segurança. Na ocasião, 400 pessoas foram presas por atacar prédios públicos e a sede do Partido Conservador. Neste ano, poucos incidentes, e nenhum deles grave, foram reportados.

 

Os manifestantes se pronunciavam contra o aumento do custo da educação de nível superior no país. Eles empunhavam cartazes com os dizeres "Educação para os 99%", pedindo políticas mais democráticas. O governo implantou medidas que deixaram o valor das instituições de ensino mais aros e cortaram bolsas de estudo para alunos pobres, parte do plano de austeridade.

 

O protesto também fez oposição à reforma das políticas sociais. Eletricistas, taxistas e outros trabalhadores se uniram aos protestos e concordaram em uma greve geral do funcionalismo público para o dia 30 de novembro.

 

As manifestações também se provaram um verdadeiro teste para a Polícia Metropolitana da capital britânica, que não se mobilizava desde as rebeliões de agosto, quando uma onda de violência tomou conta da cidade. Desta vez, um grande efetivo foi acionado e táticas de contenção foram adotadas, o que garantiu o caráter pacífico da marcha.

 
Tudo o que sabemos sobre:
LondresGrã-Bretanhaestudantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.