Polícia prende 5 suspeitos de matar 19 marisqueiros no mar

A polícia inglesa anunciou hoje que prendeu cinco pessoas suspeitas do assassinato de 19 trabalhadores chineses, mortos quando catavam mariscos numa baía em Lancashire.Três homens e duas mulheres foram presos, ontem, e estão sendo interrogados sobre seu possível envolvimento com as mortes. Eles ainda não foram acusados formalmente e não foram identificados.As autoridades confirmaram reportagens da mídia afirmando que os presos estavam entre os 16 sobreviventes resgatados quinta-feira passada em Morecambe Bay, uma área rica em amêijoas, um tipo de marisco muito apreciado na Europa, localizada no noroeste da Inglaterra, região conhecida por suas areias e marés traiçoeiras. Dezessete homens e duas mulheres foram mortos antes de serem colhidos pelas imensas ondas da baía.Mas a polícia disse que as prisões não são parte das batidas realizadas no fim de semana na cidade vizinha de Liverpool,65 quilômetros ao sul da baía. Alguns dos mortos eram imigrantes recentes vivendo em péssimas condições e empregados a salários vis por gângsteres. Na batida policial, os detetives chegaram a nove endereços em Liverpool, e apreenderam computadores, documentos e equipamentos ligados à colheita de mariscos em Morecambe Bay. O inspetor-chefe Mick Gradwell disse que a polícia pretende realizar novas batidas nos próximos dias.A colheita de amêijoas ? um marisco que vive sob a superfície da areia pantanosa ? é um negócios milionário na Inglaterra, mas praticamente sem regulamentação. Geraldine Smith, deputada do Partido Trabalhista por Morecambe, quer que, depois da tragédia, os marisqueiros passem a ser licenciados.?Precisamos regulamentar as peixarias, com o licenciamento ao preço talvez de umas 500 libras (R$ 2.700,00), antes que possam catar amêijoas?, disse. ?O dinherio levantado com essas licenças poderia ser revertido para reforçar as medidas de segurança na baía. Também quero as quadrilhas licenciadas. Isto acabaria com o elemento criminoso e poria um ponto final na exploração dos trabalhadores.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.