Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Polícia prende cinco por desabamento em Bangladesh

A polícia de Bangladesh prendeu cinco pessoas neste sábado em decorrência do desabamento de um edifício construído em condições precárias e que matou pelo menos 348 pessoas. Entre os detidos estão dois proprietários da fábrica de roupas New Wave Apparels, Bazlus Samad e Mahmudur Rahman Tapash, além de dois engenheiros do governo, Imtemam Hossain e Alam Ali. A esposa do proprietário do prédio também foi levada sob custódia, em uma tentativa de forçar que o dono edifício, Mohammed Sohel Rana, foragido desde o desastre, também se entregue.

Agência Estado

27 de abril de 2013 | 11h48

Violentos protestos continuaram ocorrendo na cidade, Daca, e se espalhou para o sudeste da cidade de Chittagong, onde vários veículos foram incendiados.

As equipes de resgate admitiram neste sábado que as vozes dos sobreviventes estão ficando cada vez mais fracas, depois de quatro dias presos sob os escombros. Ainda assim, em um fato motivador para as equipes, 29 sobreviventes foram encontrados neste sábado, disse o porta-voz do exército, Shahinul Islam. Ao todo já são 2.429 sobreviventes.

A maioria das vítimas morreu quando a estrutura de oito andares caiu na quarta-feira pela manhã - em um horário em que as fábricas de roupas estavam cheias de trabalhadores. Os últimos três andares foram construídos de forma ilegal.

Trabalhando de forma ininterrupta desde quarta-feira, em meio ao forte calor e a tempestades, as equipes de resgates finalmente atingiram neste sábado o andar térreo por meio de 25 estreitos buracos escavados desde o topo do edifício, disse o chefe dos bombeiros, Ali Ahmed Khan.

"Ainda estamos recebendo respostas de sobreviventes, mas elas estão se tornando mais fracas e espaçadas", disse ele, acrescentando que as equipes de resgate já são capazes de ver carros que estavam estacionados no nível do solo.

"O edifício é muito vulnerável. A todo o momento o chão pode entrar em colapso. Estamos realizando uma tarefa impossível, mas estamos contentes que conseguimos resgatar tantos sobreviventes." Ele disse que as operações vão continuar durante a noite, mas as chances de encontrar sobreviventes vão diminuído à medida que se chega ao quinta dia e também por conta dos possíveis ferimentos e do forte calor.

Foi a pior tragédia que atingiu a enorme indústria de vestuário do Bangladesh e chamou a atenção para as más condições de trabalho dos funcionários, que recebem US$ 38,00 por mês para produzir roupas para marcas internacionais. A indústria de vestuário do Bangladesh é a terceiro maior do mundo, segundo dados de 2011, atrás apenas da China e da Itália, tendo crescido rapidamente na última década. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Fábrica de roupavestuárioDaca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.